Quem Somos

mosteiro-026

 

     A Família Beatae Mariae Virginis – F.B.M.V. (cujos membros são chamados Marianos) é uma comunidade religiosa católica que surgiu em Salvador (capital do estado da Bahia, no Brasil),  no ano de 1969, quando um professor e alguns alunos de um curso de catecismo de um colégio da periferia de Salvador decidiram fazer reuniões de estudo e de oração como uma maneira de aprofundar os ensinamentos de doutrina católica recebidos. Pouco a pouco nasceu a idéia de uma vida em comum e, no dia primeiro de novembro, se fizeram os primeiros compromissos, que não tinham nenhuma força de voto. Após diversas peripécias, o pequeno grupo se estabeleceu na zona rural da cidade de Candeias (região metropolitana de Salvador, a 40 km desta capital), em 1974, onde até hoje se encontra. A  F.B.M.V. conta hoje com 12 membros, dos quais 9 têm votos perpétuos, inclusive 2 sacerdotes.

     Uma vocação monástica centrada sobre  a fé católica.

     Os membros dessa comunidade assumem a prática comum dos  conselhos evangélicos de Obediência, Pobreza e Castidade, fazendo além disso um voto de Estabilidade; esse voto é uma peculiaridade da F.B.M.V.. Não se trata do voto de Estabilidade da Ordem Beneditina. Por Estabilidade se entende uma firme adesão da inteligência à Fé Católica e a todas as suas conseqüências individuais e sociais, em todos os aspectos do ser, do pensar e do agir humano. Para realizar esse ideal, a F.B.M.V. se configura como uma comunidade de vida monástica,vivendo afastada da cidade, e dedicando-se a trabalhos agrícolas, ao estudo e à oração.

     No ano seguinte à sua fundação foi promulgado o Novus Ordo Missae, peça-chave da Reforma Litúrgica pós-conciliar. Infelizmente, por não compreender bem a questão da obediência devida às autoridades eclesiásticas, os Marianos se sentiram forçados a adotar a Nova Missa, embora tomando muitas precauções para evitar o contágio do progressismo. Apesar disto, o contato com os meios modernistas, por mais restrito que fosse, não deixou de produzir seus frutos amargos, e quase todos os membros desertaram. Mas outros foram-se juntando pouco a pouco, e, em 1997, com o conhecimento da Bula Quo Primum Tempore de São Pio V e uma graça especial, nós passamos a celebrar no rito tradicional. Foi quando, tomando melhor conhecimento do movimento mundial tradicionalista, a ele nos associamos. Nosso segundo sacerdote foi ordenado no Seminário de La Reja, na Argentina, pertencente à Fraternidade São Pio X, e três dos bispos da Fraternidade já nos honraram com suas visitas, além de vários padres da FSSPX  e de comunidades amigas.

Práticas, devoções e atividades.

      Cada Mariano reza o Breviário Romano inteiro e em comum, à partir das 5:15 hs ( levantar às 5:00 hs). A Santa Missa no rito Tridentino é celebrada às 6:30 hs . Na primeira sexta e no primeiro sábado do mês ela é celebrada também às 8:00 hs, bem como no domingo. Também, desde os primórdios, nós recitamos em comum o Santo Rosário, devoção fundamental para nossa vocação. Temos o hábito de fazer uma vigília do sábado para o domingo e de quinta-feira para a 1ª sexta-feira do mês (toda a comunidade), e de quinta para sexta-feira (ao menos um irmão).

     Apesar de termos um ideal de vida predominantemente contemplativo, a afluência de fiéis que vêm a nós fugindo dos descalabros e abominações que se multiplicam nessa crise na Igreja Católica, nos leva a dedicarmo-nos bastante a atividades apostólicas. Para atender ao povo, estamos construindo uma capela que tem capacidade para 150 fiéis (já em uso, porém não completamente terminada); a confissão é muito freqüente, e nós mantemos também várias classes de catecismo para crianças e adolescentes.

     A Regra.

 

      De início não havia nenhuma regra, que só foi elaborada anos depois, e cuja aprovação não procuramos, pois isto certamente implicaria compromissos com a hierarquia “conciliar”, algo que sempre evitamos.

     Com a nossa adesão ao movimento tradicionalista mundial, apresentamos aos Bispos da Fraternidade nossas Regras a exame. Após algumas adaptações, eles declararam que não viam nela nada que atentasse à Fé ou aos bons costumes. Um deles, D. Tissier de Mallerais, nos disse mesmo que a considerava muito adaptada aos nossos tempos.

     Para se tornar um religioso Mariano.

     Como para toda comunidade religiosa, é necessário demonstrar saúde física e mental suficientes. Além disso consideramos de importância que o candidato tenha para com a Santa Igreja uma Fé firme e tranquila, com especial acatamento ao Primado Romano de Pedro.

     Também o candidato não deve ser oriundo de outro instituto religioso, ou de qualquer outra forma de vida consagrada em comum.

     Não deve ter mais de vinte e um anos, ou com autorização muito especial do Capítulo, até vinte e cinco anos.

     Os estágios na admissão e formação dos Marianos são os seguintes:

     -Aspirante: 6 mêses.

     – Postulante: 1 a 2 anos.

     – Noviciado: 2 anos.

     – Primeiros votos temporários: 3 anos.

     – Segundos votos temporários: 3 anos.

     Enfim, ele deve demonstrar sincera disposição para dedicar-se à vida de piedade, e especial pendor para cultivar as virtudes da Fé, da Humildade e da Obediência.

Causa nostrae laetitiae, ora pro nobis (saudação utilizada entre nossos religiosos, e mesmo entre nossos fiéis).

%d bloggers like this: